Sábado, Outubro 16, 2021
Inicio Pessoal e Intransmissível

Pessoal e Intransmissível

Dia do Pai

Já era noite. Talvez sete, ou oito, ou mesmo nove horas da noite. Talvez fosse mais tarde. Na memória resta-me apenas o frio, o escuro e o último olhar. Agarrei-lhe o tecido das calças, e abracei-o pela cintura. Tocou-me...
Bebe whiskey, pequeno; Bebe whiskey! Olha que não há mais metafísica no mundo senão whiskey. Olha que as religiões todas não ensinam mais que a destilaria. Bebe, pequeno sujo, bebe! Pudesse eu beber whiskey com a mesma verdade com que bebes!* A distância entre pessoas...
Há um texto apócrifo atribuído a William Shakespeare, que diz que na vida aprendemos que «não importa em quantos pedaços o teu coração foi partido, o mundo não pára para que o consertes». Nalgumas versões lê-se, no lugar de...
Autonomia. Liberdade. Tudo conceitos. Demasiado vagos. Demasiado concretos. Não depender de Nada, nem de Ninguém. Ter só um livro para ler, e não o fazer. Como tu dizias, meu querido Fernando. O que é isto a que chamam Vida?...
«Para mim, o ideal de vida é ser uma árvore. A árvore está ali, alimenta-se diretamente do chão, da terra, cresce, abre-se, dá flores se é árvore para dar flores, ou frutos, se der, e vive o tempo que...
Publiquei O Agasalho dos Amantes - poesia, rascunhos, e outros textos. Uma selecção muito pessoal de poemas e pequenos textos autobiográficos sobre amor e desapontamentos, amizade e solidão, sonhos e ilusões. Uma obra de 400 páginas onde reúno uma selecção de...
1 - Realidade e ficção no romance? Não há tal coisa num romance. Num romance, a realidade é ficção, e a ficção é realidade – se assim não for, então não é de um romance que se trata. Portanto, seria...
Amour, argent, & a typewriter. Um amigo ou dois, são sempre bem-vindos. Livros, nunca são suficientes, mas já me sinto satisfeito com os que tenho. Há palavras que só ficam completas quando ditas na língua que melhor lhes serve....
Queria ter uma quinta isolada com um riacho ao fundo... onde pudesse ter os meus livros, uma máquina de escrever, um cão e um sótão... um perdigueiro... e a sombra de um salgueiro... um pôr-do-sol arroxeado... uma brisa estival......
Tenho lido «Todos os Nomes» de José Saramago. Ao mesmo tempo tenho em aberto «As Flores do Mal» de Charles Baudelaire, «Retrato do Artista quando Jovem» de James Joyce, e «Dom Quixote de La Mancha» de Miguel de Cervantes,...
1,400SeguidoresSeguir